European Space Agency Discovers 'Striking' Ancient River on Mars

19.01.13

Print

This image by the European Space Agency shows the Reull Vallis on Mars.

This image by the European Space Agency shows the Reull Vallis on Mars.

The European Space Agency announced Thursday that it has taken high-definition pictures of an ancient river nearly 1,000 miles long on Mars.

According to the report, the "striking" river also has "numerous tributaries" and is believed to be more than 4 miles wide and nearly 1,000 feet deep at some points. The agency believes that the river was carved by water between 1.8 and 3.5 billion years ago and went dry due to evaporation.

The agency has named the river Reull Vallis. The photos were taken with the ESA's Mars Express satellite last year.

This image shows the Reull Vallis, a nearly 1,000 mile long river on Mars discovered by the European Space Agency.

[RELATED: Ancient Meteorite Suggests Mars Had Lots Of Water]

"The region shows a striking resemblance to the morphology found in regions on Earth affected by glaciation," the ESA said in a statement. The discovery is "giving planetary geologists tantalizing glimpses of a past on the Red Planet not too dissimilar to events on our own world."

In September, NASA announced that its Curiosity Rover had discovered evidence of an "ancient stream" that "once ran vigorously" near the Gale Crater that the rover is exploring. According to that report, the stream may have been several feet deep.

 

Jason Koebler USN

publicado por sá morais às 12:46

Curiosity encontra pistas sobre existência de vida em Marte

06.12.12

 

 

A sonda Curiosity, da Nasa, encontrou evidências perturbadoras de que teria existido vida no passado de Marte, mas os cientistas alertaram nesta segunda-feira que ainda é muito cedo para realizar as primeiras análises de solo.

Os instrumentos de análises de amostras (SAM, em inglês) da Nasa têm enviado informações à Terra enquanto busca compostos como metano, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, elementos químicos que compõem a vida.

Os cientistas ficaram animados ao detectar compostos orgânicos simples no solo de uma duna, mas alertaram que os traços de carbono poderiam ter sido transportados por meteoritos ou inclusive por partículas que os instrumentos tocaram antes de partir da Terra.

"Eles esperam encontrar mais evidências de compostos orgânicos à medida que a Curiosity avançar através das areias estéreis e carreadas pelo vento de Rocknest rumo ao monte Sharp, em busca de um bom lugar para começar a cavar mais fundo", acrescentou.

"Não é inesperado que esta pilha de areia não seja rica em matéria orgânica. Tem sido exposta ao duro ambiente marciano", explicou Paul Mahaffy, principal pesquisador encarregado dos instrumentos de análises de amostras do Curiosity.

"Será uma busca excitante por ambientes remotos que possam estar protegidos deste duro ambiente superficial", acrescentaram. Os instrumentos capturaram imagens impressionantes da areia retirada da duna, que um dos cientistas descreveu como mais áspera do que farinha e mais fina do que açúcar.

O Curiosity também conseguiu analisar cristais e outros materiais encontrados na areia. Ao aquecer as amostras, eles também conseguiram detectar uma quantidade significativa de água na areia, junto com algum dióxido de carbono, oxigênio e dióxido de enxofre.

"A sonda Curiosity é como um laboratório do CSI sobre rodas", comparou Michael Meyer, principal cientista do Mars Exploration Program, da Nasa, durante entrevista colectiva.

"Estes resultados oferecem uma visão sem precedentes da diversidade química da área que é representativa do resto do planeta", acrescentou. Cientistas não esperam que a Curiosity encontre homenzinhos verdes ou criaturas vivas, mas contam em usá-lo para analisar o solo e as rochas do planeta vermelho em busca de vestígios de que os compostos químicos estão presentes e podem ter sustentado vida no passado.

O robô, de US$ 2,5 bilhões, que pousou na Cratera Gale em 6 de Agosto, também visa a estudar o meio ambiente marciano para preparar uma possível missão ao planeta nos próximos anos. O presidente americano, Barack Obama, prometeu enviar humanos a Marte até 2030.

 

In Terra

 

 

tags:
publicado por sá morais às 10:49

Mistério sobre nova descoberta em Marte

25.11.12
Pesquisadores da Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos, que investigam Marte, conhecido como Planeta Vermelho, indicam que há informações capazes de mudar a análise feita até agora sobre o tema. 
O chefe da missão, John Grotzinger, disse que o robot explorador Curiosity que está em Marte fez uma descoberta reveladora.
“É uma descoberta que vai mudar os livros de história. Os dados indicam muitas promessas”, disse Grotzinger. No entanto, ele manteve em segredo os detalhes sobre a descoberta.


A expectativa, segundo especialistas, é que a descoberta leve à comprovação de existência de vida em Marte. 
Os detalhes das pesquisas feitas no planeta devem ser revelados durante a  reunião da União Geofísica Norte-Americana, em San Francisco (Califórnia), entre os dias 3 e 7 de Dezembro.
Em Setembro, foi retirada uma amostra do solo de Marte e o material foi analisado. Nele, os pesquisadores identificaram a existência de terra e rochas, nas quais havia abundância de elementos como carbono, oxigénio e nitrogénio.
tags: ,
publicado por sá morais às 01:16

Nasa apresenta cápsula espacial que pode levar o Homem a Marte

05.07.12

 

A Orion, cápsula espacial da Nasa, chegou ao Centro Espacial John F. Kennedy, na Florida, informou a Nasa nesta segunda-feira. A nave está sendo desenvolvida para levar astronautas para asteróides, para a lua e, eventualmente, para Marte, substituindo os shuttles. A cápsula, construída pela Lockheed-Martin, tem lançamento previsto para 2014, a bordo de um foguete Delta 4 não tripulado - apesar de a nave ter sido projectada para levar uma tripulação de até quatro integrantes. "Não é um gráfico do Powerpoint, é uma nave espacial de verdade", brincou Bob Cabana durante a cerimónia para marcar a chegada da nave ao Centro. O lançamento de 2014 vai testar a blindagem de calor, os pára-quedas e outros sistemas da nave. Espera-se chegar a aproximadamente 5,5 mil km acima da Terra - para se ter uma ideia, a Estação Espacial Internacional (ISS) orbita a cerca de 380 km do planeta. Em seguida, a Orion deverá voltar com 84% da força que uma nave espacial voltando da lua teria. Humanos não voam a tantos milhares de quilómetros acima da Terra desde 1972, quando a Missão Apollo para a Lua chegou ao fim. Um segundo teste será realizado em 2017 usando o sistema de lançamento espacial da Nasa, que pretende colocar a cápsula em torno da lua, novamente sem tripulação. O terceiro teste, previsto para 2021, deverá incluir astronautas. Em 2025, a Nasa quer enviar astronautas para explorar um asteróide próximo a Terra, e em 2030 o objectivo será ir a Marte. Com a aposentadoria dos shuttles, a Nasa depende da Rússia para enviar tripulações à ISS. Para quebrar o monopólio do País, a agência espacial fez parceria com quatro companhias interessadas em desenvolver naves espaciais para transportar astronautas do governo, bem como pesquisadores privados e turistas à estação e a outras órbitas próximas a Terra. O administrador da Nasa Charlie Bolden afirmou hoje que novas parcerias devem ser anunciadas neste mês.

 

 

Terra informações da Reuters

tags: , ,
publicado por sá morais às 12:12

Cientistas afirmam que Marte tem elementos básicos da vida

26.05.12



Novas evidências encontradas em meteoritos sugerem que elementos básicos para o surgimento de vida estão presentes em Marte.



O estudo descobriu que carbono encontrado em 10 meteoritos, que abrangem mais de quatro bilhões de anos da história marciana, se originou no planeta e não foi o resultado de contaminação na Terra. Detalhes do estudo foram publicados na revista Science



Mas a pesquisa também mostra que o carbono de Marte não veio de formas de vida. Uma equipe de cientistas baseada na Carnegie Institution for Science, com sede em Washington, encontrou "carbono reduzido" nos meteoritos e diz que o elemento foi criado por actividade vulcânica no Planeta Vermelho.



O carbono reduzido é o carbono que está ligado quimicamente ao hidrogênio ou entre si.



'QUÍMICA ORGÂNICA'


 


Eles argumentam que isso é uma evidência "de que Marte realizou química orgânica durante a maior parte de sua história."



Líder do estudo, o Dr. Andrew Steele disse à BBC: "Nos últimos 40 anos, procuramos uma piscina do chamado 'carbono reduzido' em Marte, tentando descobrir onde e se está lá, perguntando se, de fato, existia".



"Sem o carbono, os elementos de construção da vida não podem existir (...) Então, é o carbono reduzido que, com hidrogênio, oxigênio e nitrogénio, compõe as moléculas orgânicas da vida." Ele diz que a nova análise respondeu à primeira pergunta.



"Esta pesquisa mostra que, sim, o carbono reduzido existe em Marte. E agora estamos nos movendo para o próximo conjunto de perguntas. "O que aconteceu com ele (o carbono reduzido), qual foi seu destino, será que deu o próximo passo de criar vida em Marte?"




 Em deserto na Califórnia, integrante da equipe 'Curiosidade' faz testes



O cientista espera que a próxima missão a pousar no Planeta Vermelho - a Mars Science Laboratory, também conhecida como missão "curiosidade" - lance mais luz sobre a grande pergunta.



"A questão se estamos sós tem sido um grande condutor da ciência, mas ela se relaciona com a nossa própria origem. Se não há vida em Marte, qual a razão? Isso nos permite traçar uma hipótese mais clara sobre por que há vida aqui."



Então, será que Steele acha que houve, ou há, vida em Marte? Ele ri: "Tragam-me algumas pedras de lá e eu vou te responder."




Fonte: BBC
tags:
publicado por sá morais às 20:01

Marte - possibilidade da existência de grande quantidade de água

06.12.11
Segundo agência, registros indicam presença de água subterrânea em Marte


A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) informou na sexta-feira que imagens feitas nesta semana por sua sonda Mars da cordilheira Phlegra Montes apontam para a existência de grandes quantidades de água sob a superfície de Marte, que poderiam abastecer as futuras missões tripuladas a esse planeta.

De acordo com a ESA, as imagens permitem observar de perto a cadeia montanhosa e constatar que praticamente todas as suas montanhas estão rodeadas por "leques de detritos em formas de lobo", que morfologicamente são muito similares aos acúmulos de detritos que cobrem as geleiras na Terra.

"Este fato sugere que talvez existam geleiras enterradas sob a superfície de Marte nesta região", apontou a agência em seu site.

A ESA insistiu que as observações por radar provam que a presença de tais leques de detritos - estruturas arredondadas que aparecem com frequência em torno de planaltos e montanhas da região - está quase sempre relacionada com a existência de água em estado sólido sob a superfície, "às vezes a apenas 20 m de profundidade".

Segundo a organização, "as crateras de impacto nos arredores de Phlegra apresentam marcas que indicam uma recente atividade glacial na região".

As teorias apontam que as cristas desse sistema montanhoso se formaram quando as crateras mais antigas se encheram de neve e, com o passar do tempo, foram se solidificando.Link

Além disso, a ESA explicou que estas geleiras se originaram em épocas distintas ao longo das últimas centenas de milhões de anos, quando o eixo polar de Marte era muito diferente do atual e, consequentemente, também o eram as condições meteorológicas na região.

"Todos estes indícios sugerem que poderia haver grandes quantidades de água oculta sob a superfície de Marte na região de Phlegra" e, "se assim for, essas grandes reservas poderiam abastecer os futuros astronautas que explorem o planeta vermelho", concluiu.

publicado por sá morais às 12:34

Indícios de vida no passado de Marte

29.09.11
A pedra foi baptizada de Tisdale 2 e tem cerca de 30 cm de altura

 

O início da exploração no novo sítio de Marte, onde está o robô Opportunity, parece promissor, considerando-se a composição do solo e as rochas observadas, mais compatíveis com a existência de vida num passado remoto, afirmaram os cientistas da Nasa.

O Opportunity, que está em Marte há mais de 7 anos, chegou há três semanas à beira de uma cratera de 22 km baptizada Endeavour. 

A primeira rocha que examinou é lisa, e aparentemente foi escavada por um impacto que deixou uma cratera do tamanho de um campo de ténis.

As observações e medidas realizadas pelos robôs americanos enviados a Marte permitem pensar que as rochas na beira dessa cratera são de um período da história de Marte talvez mais favorável à existência de vida microbiana, segundo os cientistas.

 

in Arquivos do Insólito

publicado por sá morais às 22:03

pesquisar

 

comentários recentes

arquivos

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

Junho 2014

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30