Toco o teu corpo,

O tempo parece parar.

És a amena praia de sonhos

Que rodeia o meu mar.

 

 

De ti nasce toda a luz,

Por ti surge a escuridão.

És a eternidade dos meus dias,

És o tempo e a razão.

 

Toco o teu corpo,

Concretizas os meus mitos.

Nascem chamas nos suspiros,

E os murmurios tornam-se gritos...

 

É assim que vivo,

E é porque ti que continuo a viver.

És purgatório e paraíso,

O âmago do meu próprio ser...

 

Feaglar

publicado por sá morais às 15:07