Este livro de Pedro Ventura é o segundo volume de uma série que começou (naturalmente) “A Crónica de Goor 1″ e que foi uma verdadeira lufada de ar fresco no normalmente seco e estático panorama editorial português… Esta obra de fantasia épica, dividida em duas partes, pode ser lida de forma separada, sem prejuízo do prazer da leitura, mas pertence a um Todo, e logo, recomendamos a leitura seguida do conjunto.

As personagens das obras buscam inspiração no fértil terreno de uma mente lusitana, embebida por várias camadas de mitologias cruzadas, desde a céltica, ao ciclo arturiano ao famoso e muito mais recente trabalho de Tolkien. A acção percorre caminhos idênticos aos dos épicos mais convencionais, com a eterna luta entre o Bem e o Mal como tema dominante e essencial à acção, com um factor fantástico subterrâneo, expresso pelos poderes paranormais detidos por algumas personagens e que são essenciais à resolução dos conflitos da acção.

A segunda parte de Goor, “A Crónica de Feaglar” consolida a promessa já revelada na primeira parte do épico: os personagens, a profundidade das suas personalidades e a riqueza da acção e da interacção das personagens é muito mais profunda que a primeira parte e revelam um autor completamente consolidado e completamente amadurecido. Esperamos ansiosamente pelas novas obras de Pedro Ventura já que o seu estilo está completamente amadurecido, o autor revela uma grande consistência na construção de personagens e enredos e… é senhor de uma imaginação fértil e domina completamente essa difícil arte de construir mundos e universos virtuais!

Retirado do blog Quintus