Andee Frizzell - Wraith

28.04.13

publicado por Andreia Torres às 01:16

Stellar 4 Reunion

28.04.13

Michael Shanks

Friends, fans of Stargate, join us for an unforgettable evening accompanied by actors who impersonated the most memorable villains of the Stargate SG1 and Stargate Atlantis franchise !

If you were present at our Stellar 4 Reunion evenings, you are aware that you will experience exceptional moments in a unique setting.

On May 18, 2013, at the “Le Mondo” restaurant in Trois-Rivières, Quebec, Peter Williams (Apophis), Cliff Simon(Ba’al) and Andee Frizzell (the Wraith Queen) will be among us from early evening till the late hours of the night !

This gathering consists of Studio photos, personalized autographs, a meet and greet with the actors, DJ, gifts and co-animation by Andee Frizzell. To offer you the optimal experience, we will voluntarily limit access to the “Dark Side Of The Gate”. The places are extremely limited.

For 199 dollars (plus taxes and service fees) your experience includes: 
-        1 autograph from Andee Frizzell. A $20 value
-        1 autograph from Peter Williams. A $30 value
-        1 autograph from Cliff Simon. A $30 value
-        1 studio photo with Andee Frizzeell. A $25 value
-        1 studio photo with Cliff Simon and Peter Williams. A $70 value
-        1 meet and greet evening at the Mondo with the actors. A $120 value
 
An experience valued at $339.18 for only $230.00. 
 
Don’t wait any longer, make you reservation as soon as possible !


MONDO Resto Bar
120, rue Des Forges 
Trois-Rivières (Québec) 
Téléphone : 819 840-0404

Site web : http://www.mondorestobar.org/


publicado por Andreia Torres às 01:08

Os "Meus" Filmes: Devil Girl from Mars (1954)

26.04.13

 

Plot

Nyah, a sexy, commanding female alien dressed in black vinyl, is headed for London. She is part of the advanced team that is looking for men to replace the dying male population on their planet. However, because of damage to her spaceship caused by entering Earth's atmosphere, she is forced to land in the remote Scottish moors. She is armed with a raygun that can paralyze or kill, and has a menacing robot.

On Nyah's home world, the emancipation of women eventually led to open warfare between the sexes. The females won, usurping the political power of the men and leading to the complete sexual impotence of the male population. That was followed by a rapid decline in the birthrate. The aliens possess an organic, self-regenerating technology, which was used to construct Nyah's spacecraft. Against this technology, human weaponry proves ineffectual as demonstrated when Nyah comes away unscathed by shots from a gun. However, the alien technology is unreliable and Nyah's people have not been able to use it to artificially produce new offspring.

The film takes place mostly in the lounge bar of a Scottish country inn, the Bonnie Charlie, somewhere in Inverness-shire. The alien occasionally enters the room, makes threats, then leaves so the residents can contemplate her words. Intermixed with the Nyah story, a pair of romantic sub-plots are followed. In the first, a fashion model, Miss Prestwick (Court), fled to this remote hotel in order to escape a married reporter, Michael Carter (McDermott). Michael doggedly follows her to the hotel, hoping to rekindle their affair. Meanwhile, a convict, Robert Justin alias Albert Simpson (Reynolds) who accidentally killed his wife has managed to escape from a prison in Stirlingshire and has come to the Inn, hoping to connect with the barmaid, Doris (Corri) whom he truly loves.

 

Filme completo: http://vimeo.com/20281651

publicado por sá morais às 22:36

Shadows (visual art chosen by Andreia Torres)

26.04.13

publicado por Andreia Torres às 01:32

Two Earth-like 'blue-planets' discovered orbiting distant star

19.04.13

Two Earth-like planets thought to be covered in water have been discovered orbiting a distant star and may even have the right conditions to support life.

One of the planets – called Kepler-62f – is 1.4 times larger than while another, called Kepler-62e, is 1.6 times the size of Earth and is closer to the star.
One of the planets – called Kepler-62f – is 1.4 times larger than while another, called Kepler-62e, is 1.6 times the size of Earth and is closer to the star.  Photo: David A. Aguilar (CfA)

Astronomers believe the two ocean dominated worlds, which are around one and a half times the size of Earth, lie within the so-called Goldilocks zone around their star.

This is the distance from the star where it would be neither too hot nor too cold for there to be liquid water on the planet surface.

Scientists using Nasa’s Kepler space telescope, which has been searching for habitable planets outside our solar system, spotted the two planets orbiting a star called Kepler-62 1,200 light years away.

They found three other planets orbiting the same star – which is slightly smaller and cooler than our sun.

By calculating the amount of light the planets blocked out as they passed in front of their star, astronomers were able to calculate their size and orbit.

 

One of the planets – called Kepler-62f – is 1.4 times larger than the Earth and may even be a rocky planet while another, called Kepler-62e, is 1.6 times the size of Earth and is closer to the star.

Most other planets discovered in the habitable zone around stars have been giants, many times larger than our own.

Dr Eric Agol, an astronomer at University of Washington who was one of the team to discover the planets, said: “Planets this small found until now have been very close to their stars and much too hot to be possibly habitable.

“This is the first one that Kepler has found in the habitable zone that is a small size.”

Computer modelling by researchers at the Max Planck Institute for Astronomy and the Harvard-Smithsonian Centre for Astrophysics,suggests the two new planets may be covered in global oceans.

They said that while Kepler-62e was likely to have a cloudy and humid climate, Kepler-62f would be cooler and could even be covered in large areas of ice.

"These planets are unlike anything in our solar system,” said Dr Lisa Kaltenegger, who conducted the modelling. “They have endless oceans.

"Life on these worlds would be under water with no easy access to metals, to electricity, or fire for metallurgy.

“Nonetheless, these worlds will still be beautiful blue planets circling an orange star."

publicado por sá morais às 22:53

Astrónomos americanos descobrem mais planetas semelhantes à Terra

18.04.13



Washington, 18 abr - Astrónomos americanos anunciaram hoje ter descoberto, através de um telescópio espacial da NASA, dois planetas semelhantes à Terra e onde pode existir vida.

Segundo declarações de cientistas da NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço) à revista Science, dois dos cinco planetas que orbitam numa estrela semelhante ao Sol chamada Kepler-62 são de zona habitável, nem muito quente nem muito frio e, possivelmente, com água.

"Estes são os planetas que nós encontrámos mais parecidos com a Terra", disse Justin Crepp, professor assistente de física na Universidade Notre Dame.



 expresso

publicado por sá morais às 22:21

NASA'S KEPLER SPACECRAFT TO REVEAL NEWS

18.04.13

NASA's Kepler spacecraft to reveal it discovered aliens?

 

April 18, 2013 - NASA's Kepler spacecraft has been in hot pursuit of extraterrestrial life for four years now. And, on Thursday, it's letting people know just what it's found lurking in the Milky Way.

NASA is holding a Kepler briefing at 11 a.m. PT on Thursday. It will be broadcast live on NASA Television and on UStream ( http://www.ustream.tv/channel/nasa-arc ). The agency will also host a moderated Web chat with Kepler Deputy Project Scientist Nick Gautier of NASA's Jet Propulsion Lab. During the briefing, people can submit questions to the Kepler scientists via Twitter with the hashtag #AskNASA.


Kepler launched in March 2009 and was NASA's first mission capable of finding Earth-size and smaller planets encircling other stars within the Milky Way galaxy. The space telescope has specifically been looking for planets within a certain distance of a star that would allow for a surface temperature where liquid water could exist.

"The centuries-old quest for other worlds like our Earth has been rejuvenated by the intense excitement and popular interest surrounding the discovery of hundreds of planets orbiting other stars," NASA says in the Kepler section of its Web site. "The challenge now is to find terrestrial planets."

To date, Kepler has flagged more than 2,700 possible planets, 105 of which have been confirmed. It was not that long ago when NASA announced Kepler found its first two confirmed Earth-size planets in 2011 -- this was a major milestone in finding out how commonplace, or rare, Earth-like worlds may be throughout the universe.

It's not yet known what NASA will announce on Thursday, but given the amount of attention the agency is giving to the briefing, there will most likely be some sort of exciting news.

 


Sources and more information:

• NASA to Reveal New Alien Planet Findings Thursday: How to Watch Live

NASA to Reveal New Alien Planet Findings Thursday: How to Watch Live by Miriam Kramer, SPACE.com Staff Writer Date: 17 April 2013 Time: 01:55 PM ET This artist's illustration represents the variety of planets being detected by NASA's Kepler spacecraft. Scientists now say that one in six stars hosts an Earth-size planet. CREDIT: C. Pulliam D.



publicado por sá morais às 21:52

This massive engineering project may be our best chance at colonizing space

17.04.13

 

Space colonization has reached an impasse, for reasons far more fundamental than a lack of money for the Space Shuttle program. There is simply no way humans can travel easily offworld without using massive amounts of rocket fuel to escape the gravity well — and that's both expensive and environmentally unsustainable. So how will we get off this rock?

To help humanity explore the universe and spread to the stars, we first need to escape the gravity… Read…

That was the subject of a three-day conference I attended at Microsoft's Redmond campus this weekend, where scientists and enthusiasts talked about plans to build a space elevator. This enormous engineering project would allow us to haul materials, and eventually people, into high orbit without rockets. Some say the project could get started within a decade, and NASA is offering prizes of over $1 million to people who can come up with materials to make it happen. Here's what needs to happen before you can ride an elevator into space, according to speakers at the Space Elevator Conference.

Physicist and inventor Bryan Laubscher kicked off the conference by giving us a broad overview of the project, and where we are with current science. The working design that the group hopes to realize comes from a concept invented by NASA scientist Bradley Edwards, who wrote a feasibility study of space elevators in the 1990s called The Space Elevator. His design calls for three basic components: A robotic "climber" or elevator car; a ground-based laser beam power source for the climber; and an elevator cable, the "ribbon," made of ultra-light, ultra-strong carbon nanotubes.

Edwards' design was inspired, in part, by Arthur C. Clarke's description of a space elevator in The Fountains of Paradise.

The elevator's design is fairly simple. It's attached to the Earth at the equator, probably on a floating platform off the coast of Ecuador in international waters. The ribbon stretches 100,000 kilometers out into space, held taut by a counterweight that could be anything from a captured asteroid to a space station. Along the thread would be way stations where people could get off and transfer to orbiting space stations or to vessels that would carry them to the Moon and beyond.

We have some basic problems to surmount, from weather and space junk wrecking the elevator ribbon to the legal status of such a structure. Who would it belong to? Would it be a kind of Panama Canal to space, where everybody pays a toll to the country who builds it first? Or would it be supervised by the UN space committees? But before we get to the point where we're dodging micro-meteorites and dealing with elevator tolls, we need to surmount some technological obstacles to building the space elevator.

Here's where we are in terms of the space elevator's basic components.

The Robotic Climber, or Elevator Car

It turns out that this is the easiest part of the equation. We already have robotic climbers that can scale ropes and lift incredibly heavy objects. This aspect of the space elevator is so widely understood that the Space Elevator Conference sponsored a "kid's day" which included lego space elevator climber races. Robots designed by teens and kids competed to see which could climb "ribbons" attached to the ceiling and place a "satellite" at the top.

A company called Orbital Technologies has big plans to put a hotel in space, 217 miles above the… Read…

Of course it will take some effort to get from lego climbers to lifters big enough to haul components of a space hotel up through thousands of kilometers of atmosphere and space. But this is within the capabilities of our current technology. So we've got our elevator car.

Power Beaming Propulsion

One of the many arguments in favor of a space elevator is that it will be environmentally sustainable. Without chemical rockets, how will we send our robot lifters scuttling up that cable? The dominant theory at this point is that we'll have lasers on the space elevator platform, and a dish on the elevator that will capture the beam and convert it to power. This technology is also within our reach.

In 2009, NASA awarded $900,000 to LaserMotive for their successful demonstration of this so-called "wireless power transmission" for space elevators. In 2012, NASA will offer a similar prize for a power-beaming lunar rover. The biggest problem with the power beaming idea currently is that we are still looking at fairly low-power setups, and as the space elevator ascends higher into the atmosphere the beam will scatter and be blocked by clouds. Some conference participants estimated that only 30 percent of the beam would reach the dish.

Still, we have seen successful demonstrations of this technology, and companies are working on refining the technology. We don't quite have our perfect power beam yet, but it's on the way.

Carbon Nanotube Ribbon, or Elevator Cable

This was by far the most interesting and contentious topic at the Space Elevator Conference. An entire day was devoted to technical discussions about cutting-edge nanomaterials research and carbon nanotube production. Scientists from nanomaterials labs at Rice University andUniversity of Cincinnati gave presentations on everything from how to spin carbon nanotubes into fiber that looks like soft, black cotton, to how radiation in space could rip the molecular bonds of a carbon nanotube ribbon.

Carbon nanotube material is so light and strong that the elevator cable itself would be thinner than paper. It would literally be a ribbon, possibly several meters across, that the robotic cars would grip all the way up into space. Every year at the Space Elevator Conference, people bring carbon nanotube fibers and compete to see which can withstand the greatest strain before breaking. Winners stand to gain over a million dollars from NASA in its "strong tether" competition; sadly, this year, nobody had fibers that were strong enough to place (but you can always enter next year!).

 

publicado por sá morais às 00:42

Para venda!

16.04.13

Sete anos depois, o romance épico "Goor - A Crónica de Feaglar", volume I está novamente disponível!

 

PONTOS DE VENDA:

 

BUBOK

LIVRO

custo: cerca de 16 euros - incluindo despesas de envio (economy) para PORTUGAL

          cerca de 52 reais - incluindo despesas de envio (economy ) para o BRASIL

 

*Pode também contactar directamente o autor: noctis2006@sapo.pt

 

EBOOK

custo: 5 euros/R$12.02 

 

 

 

 

 

 “Lembro que cando rematei de lér a segunda novela de Pedro Ventura (Goor II – A Crónica de Feaglar, aló polo 2007) puiden dicir sen temor ao ridículo que viña de rematar a millor novela de xénero fantástico da miña vida. Aquela novela era o cabo a unha história de coraxe, aventuras e humanidade que tan só facían desexar lér mais e mais (…)”

 

NOVA FANTASIA (GALIZA - ESPANHA)

 


"Enquanto leitor senti-me verdadeiramente sugado pela história levando a que consumisse cada pequeno passo da narrativa de forma deliciosa...Tem todos os ingredientes: acção, intriga, romance... Se gosta do género, vai adorar este livro. Eu já vou a meio e estou a adorar! A história é fluida e interessante, tendo lugar num mundo imaginário, onde o valor humano tem um papel muito importante. Quem não comprar este livro não sabe o que perde..."

GALEONDI - YAHOO (BRASIL) 

 

"Goor - As Crónicas de Feaglar I & II são obras inigualáveis. A primeira coisa em que pensei quando terminei de os ler foi "Uau, nunca pensei que houvesse uma obra destas, muito menos escrita por um autor português". (...) Desde cedo entramos num mundo completamente novo. E, apesar de estas duas obras serem classificadas no género Fantástico, desenganem-se se pensam que vão encontrar os seus elementos típicos como fadas, gnomos, elfos, anjos ou vampiros ou o que quer que vos possa passar pela cabeça. Aqui, temos a humanidade dura e crua, onde cada pensamento e acção têm uma intensidade nunca antes expressas desta forma."


SOFIA TEIXEIRA - BLOG MORRIGHAN (PORTUGAL)


 

 

publicado por sá morais às 11:28

Anthology of European SF

16.04.13

ISF Magazine and Europa SF site are proud to present the Anthology of European SF to be distributed for free to all the Eurocon attendees! Edited by Roberto Mendes and Cristian Tamas!

Cover design by Saul Botcher - Indie Book Launcher
Cover art by George Munteanu

http://internationalsf.wordpress.com/

http://scifiportal.eu/

 

publicado por sá morais às 11:18

O Regresso dos Deuses – Rebelião (opinião)

16.04.13

Começando pelo aspecto formal, torna-se claro que ocorreu uma clara melhoria em relação às Crónicas de Fiaglar. A linguagem tornou-se mais fluída, abandonando um certo “lirismo” excessivo, por vezes demasiado cansativo na narração e descrição. Nota-se uma revisão cuidada.

Voltam a não restar dúvidas – não se trata de fantasia nem de realismo mágico, antes de  fantastique  - o elemento “sobrenatural” não “encaixa” na normalidade e se existe, está distante de ter uma explicação que se restrinja à dogmática simplicidade de “naquele mundo ser assim e pronto”.

Numa altura em que a maioria dos romances de fantástico incorporam um esqueleto constituido pelo modelo nuclear do enamoramento (mais ou menos doentio e disfuncional) das personagens principais – geralmente a tontinha virginal perdida de amores pelo Adónis de serviço, misturada num enredo onde surge a repisada dicotomia Bem vs Mal, Pedro Ventura tem a audácia de abdicar de ambos os ingredientes. A protagonista volta a ser uma mulher: a die-hard Calédra (mistura explosiva entre Ripley e Mai Bhago), personagem mais interessante e elaborada dos Goor. Pragmática, complexa e insubmissa, Calédra Denaris surge num patamar semelhante às personagens de Lin Carter ou Anne McCaffrey e coloca-se assim nos antípodas das fotocópias das Bellas no mercado, felizmente! Daí não entender perfeitamente a sinopse do Livro que me parece mais preocupada com um certo “mercantilismo” do que com a história em si. Pouco importa, por exemplo, que a protagonista seja “bela”(como odeio o rótulo!) e não estamos propriamente numa cruzada pela salvação de um mundo, antes perante uma “opção” muito menos linear. Uma sinopse de tentar vender “lebre por gato” é certamente questionável, no mínimo!

A primeira parte do livro ainda vive numa espécie de “dependência” dos Goor. Exemplo disso é o surgimento de uma personagem let me tell you what hapenned que me parece forçada e que geralmente dispenso. A “muleta” é em parte explicável pelo facto de não ser possível encontrar os livros anteriores, apesar de isso não ser de todo necessário. É, porém, curioso que a protagonista chegue a ser jocosa em relação a este facto, o que nos leva a pensar que, pelo menos, não se tratou de um recurso inconsciente. Nesta primeira parte surge-nos também uma indirecta parábola à nossa sociedade actual, em referência mais ou menos evidentes. Sempre interessante é o trajecto da protagonista, o aprofundar da sua dimensão humana e a consequente “via dolorosa” ou uplift que a afasta do modelo de heroína ou anti-heroína na definição mais “clássica” Os leitores mais atentos poderão até encontrar paralelismos entre esse trajecto e os relatos de uma importante figura da religiosidade ocidental. É aqui que a uma alegoria idêntica a algo já consumado por C. S. Lewis (sem o elemento feminino, no entanto) se une ao que o próprio autor refere como uma influência das ideias expressas em Chariots of the Gods – característica que diferencia este livro de muitos outros!

Na segunda metade do livro, o autor liberta-se mais do modelo anterior, perde a “vergonha” e revela a “verdadeira face” do seu relato, chegando a introduzir “novidades” na narrativa – alguns “sonhos” são um bom exemplo. Aqui surge nova audácia! As divindades são escalpelizadas e surge uma nova alegoria que nos poderá fazer reflectir no nosso próprio mundo. Novas personagens vão surgindo e algumas são também interessantes – chegando até a ser abordada (timidamente) a sexualidade de uma delas! Não se espere o habital “rebanho” de “bons e justos” em crusade mode! Nada disso! O próprio final também é diferente. Aliás, esse final invulgar indica-nos uma “ponte” para algo que poderá ser ainda mais singular.

Decididamente, a colecção Via Láctea ganha originalidade e novo fôlego – o que espero seja só o começo! Recomendado a todos os que gostam do género épico/fantástico e também aos que não gostarem.

Nota: este breve comentário foi obviamente restrito, devido ao facto de o livro ser colocado hoje à venda em Portugal e não querer carregá-lo de spoilers.

publicado por Andreia Torres às 00:01

...

14.04.13

publicado por sá morais às 01:13

Entrevistas da Andreia: Vitor Frazão

09.04.13

Entrevistas da Andreia ( as perguntas que os outros blogs gostavam de fazer...)


VITOR FRAZÃO






Quem é o Vitor Frazão?

 


Um arqueólogo que gosta de escrever dark, low e high fantasy. E não, não escrevia in utero, o que a ter em conta certas biografias parece ser defeito grave. É só. Mais que isso ficaria com a impressão que estou a usar um dating service.




Fala-me do teu trabalho literário.


 


Bem ou mal, comecei com o livro “Crónicas Obscuras – A Vingança do Lobo” pela Chiado Editora (sim, eu sei, acreditem eu sei). Os erros dessa primeira ingénua aventura permitiram-me melhorar consideravelmente os trabalhos seguintes, quer em contos como nos 3 livros que se seguem a “A Vingança do Lobo”, já escrito mas ainda por editar. Não vou massacrar ninguém com uma lista dos contos que escrevi, apenas dizer que publiquei na Fénix, na Nanozine, num ebook da Editora Draco e ebooks associados ao projecto “Fantasy & Co.” e que a maioria passa-se no universo de “Crónicas Obscuras”, ou seja, nas sombras do nosso próprio mundo, povoadas de criaturas sobrenaturais. Casos queiram saber mais:http://www.goodreads.com/author/show/3499681.Vitor_Fraz_o.

 

 

 


O que podemos esperar de ti no futuro?

 

 


Sem sombra de dúvida mais contos de fantasia nos mais variados formatos. Obviamente quero publicar mais livros de “Crónicas Obscuras”, afinal não os escrevi para ficarem na gaveta, mas realisticamente num futuro imediato, da minha parte, verão mais conto que livros.




 

Que ligação é essa com a Manga?

 

 


Somos só amigos, não é nada sério. Acho piada, não és a primeira pessoa que em 2013 indica essa ligação ou aponta manga como o meu formato literário favorito. Não o é. Simplesmente desafiei-me a ler 700 (volumes de manga) em 2013, por isso é que ultimamente me vêem a falar mais de manga do que é habitual. É um estilo que gosto muito, sem sombra de dúvida, e após anos a ver animes foi a evolução natural (até porque em 80/85% das vezes a manga supera a anime), agora, não acho que tenha uma ligação diferente de qualquer outro formato que me forneça narrativas de fantasia ou ficção-científica. Dito isto, Freud e Jung que me desmintam.

 

 

 


Tens uma presença assídua na internet e já deves ter reparado que há muitas pessoas a perguntar aos amigos/conhecidos o que devem ler e a terem respostas quase sempre iguais - dentro do mainstream da moda. Há uma tendência para o "ovelhismo" nos leitores actuais?

 


Pelo menos nos leitores cujas leituras são publicas há essa tendência. Lêem os mesmos livros, na mesma altura e dão opiniões que não variam muito. Se as duas primeiras são desculpáveis, uma vez que nada é mais natural que apresentar um bom livro a um amigo, a última é preocupante. Que um grupo alargado de pessoas gostem do livro X ou Y, compreensível, que gostem todas pelos mesmos motivos e o expressem da mesma maneira... Obviamente há excepções, mas a tendência é essa. Numa sociedade de consumo ultra-mediatizada os livros não são diferentes de qualquer outro produto, estando sujeitos às mesmas modas, por fugazes que elas sejam.
Agora se esse tal “ovelhismo” muitas vezes eleva obras inferiores mais populares e soterra obras superiores menos conhecidas, também é verdade que pode ser usado para o oposto. É só alguém aceitar o desafio.

 

 

 



É notório que te irritam as opiniões simplórias e/ou vazias de conteúdo sobre livros. Infelizmente, até há quem os escolha pela capa... Há realmente sérias lacunas na cultura literária (e até geral... ) da maioria dos(as) quem andam por aí a avaliar livros em blogs e sites?


 


Fazes perguntas para as quais já sabes as respostas. 
O facto de todos termos direito a opinar não significa que o devamos ou tenhamos capacidades para. Afinal somos iguais em direitos, não capacidades. De facto, incomodam-me “opiniões” que basicamente são apenas sinopses alargadas ou sumários dos livros, com um “gostei” ou “não gostei” carimbado no fundo, mas acho mais preocupante a falta de espírito crítico de certos bloggers. Falta de cultura literária é perdoável até um certo ponto se a pessoa der provas que não sabe mas que quer aprender, agora a falta de espírito crítico ou algo patente de ser confundido com uma personalidade é muito mais grave e difícil (ou mesmo impossível) de corrigir. 
Têm estas pessoas direito a gerir os blogues como lhes aprouver? Sem dúvida!
Posso limitar-me a não ler o que escrevem? Claro, normalmente é o que faço, quando tais opiniões não me são enfiadas pelos olhos. Por isso é que na prática só acompanho 4 ou 5 blogs. 
Tenho o direito de ficar chateado quando cometo o erro de ler certas opiniões? Ainda não, brincas!





Achas honesto que haja blogues/sites "patrocinados" por editoras que se limitam a publicitar os livros que recebem como "recompensa"?



Incomoda-me mais a falta de honestidade nas opiniões desses livros. Que recebam esses livros como pagamento por um serviço que estão a prestar, tudo bem (embora ache que devia tentar negociar algo melhorzinho), que escrevam a opinião que se sentem na obrigação em vez daquela que honestamente querem e devem escrever já não me agrada. Acima de tudo não me agrada como leitor, o que significa que quando me deparo com esses género de opiniões reviro os olhos e dificilmente voltarei ao blog em questão.





Achas que a inactividade da maioria dos autores contemporâneos do teu " A Vingança do Lobo" revela o fim de um ciclo? O vosso Cretáceo chegou ou ainda vão dar luta?

 


Para alguns, sim, o Cretáceo chegou, quer por desencanto perante o meio ou por incapacidade de lidar com críticas. Agora, sei de fonte segura que alguns continuam fighting the good fight, embora seja an uphill battle. Entretanto no Jurásico surgiram novos autores, alguns dos quais muito promissores.

 




Já reparei que há centenas (milhares?) de pessoas no Facebook a intitularem-se autores/escritores sem nunca terem feito nada de relevante e até costumo dizer em tom de brincadeira que em Portugal há mais autores do que leitores... É quase como se também fosse moda. Há uma banalização da escrita e isso pode levar a uma redução qualitativa?

 


Uma banalização da escrita? Quem nos dera! E da leitura, já agora, para os leitores passarem a ser a regra e não a excepção.
Fora brincadeiras. Pode levar a uma redução qualitativa? Pode, não tanto (ou não apenas) pela qualidade ou falta dela dos vários escritores, mas pelo simples aumento da amostragem. De resto acontecerá o mesmo que sempre aconteceu: alguns continuarão, idealmente tornando-se melhores com o tempo, outros cairão no esquecimento. Afinal, indivíduos a intitularem-se autores/escritores existem desde que há editoras (provavelmente até antes), simplesmente as tais “areias do tempo” engoliram a maioria, reduzindo-os a referências obscuras na memória de meia-dúzia de curiosos.





Como comentas esta citação: "People found out that poorly made fanfic pornography can be marketed for millions given the right impetus. They're trying to capitalize on the moment."

 

 


Todos sabemos que as editoras querem é fazer “a quick buck”, só é penas não se aperceber que essa mesma máquina publicitária podia ser usada para elevar obras e autores de qualidade. Estão tão preocupados em aproveitar as modas que não se apercebem que podia estar a fazê-las, sendo a segunda opção muito mais rentável.





Diz-me o nome de três livros que consideras que todas as pessoas deviam ler?

 


“O Estrangeiro” de Albert Camus, “Ratos e Homens” de John Steinbeck e “A Arte da Guerra” de Sun Tzu.





O que te faz continuar neste mundo literário, quando já sabes que as recompensas são muito poucas?

 

 


Podia dizer que o faço por ter histórias na cabeça que simplesmente precisam de materializar-se, mas ambos sabemos que isso é treta. Escrever posso fazer sempre, nem que seja para a gaveta. Não preciso tentar publicar ou sequer de fazer parte do “mundo literário”.
Até há bem pouco tempo era guiado pelo sonho de viver de escrever, para poder dedicar-me em exclusivo às minhas histórias. Morto esse sonho, faço-o pela mão cheia de pessoas interessante que vou conhecendo (por poucas que sejam) e conversas estimulantes que tenho em redor desta ou daquela narrativa.





Quem gostarias que fosse entrevistado aqui no "Voz"?

 


Alguém que já não tenha visto entrevistado ad nauseam. Talvez novo e promissores escritores portugueses como Carlos Silva ou Inês Montenegro.



Obrigada pela tua disponibilidade para esta esntrevista, aqui no blog! Votos de bom trabalho e até uma próxima oportunidade.

Vitor Frazão

www.goodreads.com


Author of A Vingança do Lobo, Sangue na arena, O Pacto, Os Kravyads, Dança do Corvo, O Farol, Bicho Cidrão, Posso ficar com ele?, Se queremos algo bem feito..., and Nanozine nº 6
publicado por sá morais às 11:11

Talvez num enredo perto de mim... ;)

09.04.13

publicado por sá morais às 10:51

Regresso dos Deuses - Rebelião

07.04.13
publicado por Andreia Torres às 23:45

À VENDA!!

07.04.13

Sete anos depois, o romance épico "Goor - A Crónica de Feaglar", volume I está novamente disponível!

 

PONTOS DE VENDA:

 

BUBOK

LIVRO

custo: cerca de 16 euros - incluindo despesas de envio (economy) para PORTUGAL

          cerca de 52 reais - incluindo despesas de envio (economy ) para o BRASIL

 

*Pode também contactar directamente o autor: noctis2006@sapo.pt

 

EBOOK

custo: 5 euros/R$12.02 

 

 

 

 

 

 “Lembro que cando rematei de lér a segunda novela de Pedro Ventura (Goor II – A Crónica de Feaglar, aló polo 2007) puiden dicir sen temor ao ridículo que viña de rematar a millor novela de xénero fantástico da miña vida. Aquela novela era o cabo a unha história de coraxe, aventuras e humanidade que tan só facían desexar lér mais e mais (…)”

 

NOVA FANTASIA (GALIZA - ESPANHA)

 


"Enquanto leitor senti-me verdadeiramente sugado pela história levando a que consumisse cada pequeno passo da narrativa de forma deliciosa...Tem todos os ingredientes: acção, intriga, romance... Se gosta do género, vai adorar este livro. Eu já vou a meio e estou a adorar! A história é fluida e interessante, tendo lugar num mundo imaginário, onde o valor humano tem um papel muito importante. Quem não comprar este livro não sabe o que perde..."

GALEONDI - YAHOO (BRASIL) 

 

"Goor - As Crónicas de Feaglar I & II são obras inigualáveis. A primeira coisa em que pensei quando terminei de os ler foi "Uau, nunca pensei que houvesse uma obra destas, muito menos escrita por um autor português". (...) Desde cedo entramos num mundo completamente novo. E, apesar de estas duas obras serem classificadas no género Fantástico, desenganem-se se pensam que vão encontrar os seus elementos típicos como fadas, gnomos, elfos, anjos ou vampiros ou o que quer que vos possa passar pela cabeça. Aqui, temos a humanidade dura e crua, onde cada pensamento e acção têm uma intensidade nunca antes expressas desta forma."


SOFIA TEIXEIRA - BLOG MORRIGHAN (PORTUGAL)


 

 

publicado por Andreia Torres às 23:27

pesquisar

 

comentários recentes

mais comentados

arquivos

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

eXTReMe Tracker

Abril 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
20
21
22
23
24
25
27
29
30