Pedro Ventura na Feira do Livro do Porto 2012

26.05.12

 

 

 

Pedro Ventura estará presente na Feira do Livro do Porto 2012 no dia 7 de Junho, das 17h30 às 19h30, em conjunto com o autor Rodrigo McSilva.

 


 

"Uma grande satisfação em regressar à acolhedora cidade Invicta depois da excelente edição de 2011!"  

 

 

 

          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Regresso dos Deuses – Rebelião (Editorial Presença)

26.05.12

 

 

Diferente. Ambicioso. Eloquente, O Regresso dos Deuses – Rebelião é o tipo de livro que qualquer aficionado por fantasia épica deveria experimentar. Lá por ser português não é motivo para se passar ao lado ou para se julgar sinónimo de pouca qualidade, muito pelo contrário. Tratando-se de uma obra nacional, é de enfatizar a importância para o reportório português que obras deste carácter têm. Caso a sinopse lhe tenha surtido interesse, aventure-se; caso não, aventure-se de igual forma. Valerá a pena. 


Pedacinho Literário

 

 

 

À venda nas principais livrarias e online nos seguintes sites:

 

 

 

 

 

 

FNAC (envio grátis e desconto para aderentes)

 

 

 

           

 

 

 

 

EDITORIAL BERTRAND 

 

 

    

O Regresso dos Deuses - Rebelião (Rogério Ribeiro)

26.05.12

 

 

 

 

 

   Calédra, antiga rainha dos aurabranos, é acordada após um sono de décadas, qual Merlin destinado a ressurgir no momento de maior necessidade. Mas aqui começa também o calvário desta personagem: as expectativas de um mundo pesam sobre esta guerreira singular, mas ainda desorientada perante a nova era. A reacção não poderia deixar de ser intempestiva; de vontade férrea, aceita a sua responsabilidade, mas nos seus próprios termos.

   Crescentemente, Calédra torna-se um “buraco-negro” que condiciona amigos e inimigos. Para além disso, é esta a personagem que marca todo o livro, e é ela que o carrega do princípio ao fim. Dona de uma personalidade indomável, revelando-se muitas vezes prepotente, arbitrária, ou apenas moralmente alheada, Calédra demonstra uma aposta de Pedro Ventura em criar uma protagonista em tudo diferente do molde já batido da comum fantasia épica.
Aliás, também o arco de história, que engloba mais do que este livro, deixa, principalmente na figura dos endeusados Holkan e da sua relação com Calédra, pistas que remetem esse mesmo registo de fantasia épica para um suspeito véu colocado sobre a nossa percepção da realidade.

Toda a narrativa está bem construída (para um volume que funciona como introdução a uma obra mais vasta), mas assenta fortemente na aceitação do leitor em se tornar em mais um dos seguidores indefectíveis de Calédra. Sem essa “submissão”, que o autor consegue lograr pelo arrojo com que impõe a protagonista, imagino que a leitura seja dificultada. Com uma escrita adulta, e um enredo que muito se aproxima de um espírito quase shakespeariano, Pedro Ventura faz poucas concessões ao facilitismo, ocupando uma posição na actual literatura fantástica nacional que, apesar de não esvaziada de executantes, era urgente reforçar.

   A linguagem utilizada poderá revelar-se outro ponto de ruptura. Assumidamente grandíloquo, poderá para alguns leitores ser insuportavelmente pomposa. Verdadeiramente, o nível de tolerância é marcado pela imersão que o leitor ser permitirá ter na história. E esta limitação inicial acaba por ser uma mais-valia para o seguimento da leitura; quer quando existem alguns episódios cuja exposição está menos conseguida, quer quando as atitudes das personagens dificultam a manutenção de empatia ou identificação do leitor com as mesmas. Mas para quem lá chegar, a leitura já se terá tornado compulsiva.

   Apresentando-se como um (re)início ambicioso, e deixando no final das suas páginas a promessa de maiores revelações num volume vindouro,Regresso dos Deuses – Rebelião marca, em boa hora, a “descoberta” de Pedro Ventura pelo grande público. Estão de parabéns o autor e a editora, por esta honrosa adição à colecção Via Láctea."

 

 

 

Rogério Ribeiro ( editor, membro-fundador e presidente da Épica – Associação Portuguesa do Fantástico nas Artes, e organizador do Fórum Fantástico )

Cientistas afirmam que Marte tem elementos básicos da vida

26.05.12



Novas evidências encontradas em meteoritos sugerem que elementos básicos para o surgimento de vida estão presentes em Marte.



O estudo descobriu que carbono encontrado em 10 meteoritos, que abrangem mais de quatro bilhões de anos da história marciana, se originou no planeta e não foi o resultado de contaminação na Terra. Detalhes do estudo foram publicados na revista Science



Mas a pesquisa também mostra que o carbono de Marte não veio de formas de vida. Uma equipe de cientistas baseada na Carnegie Institution for Science, com sede em Washington, encontrou "carbono reduzido" nos meteoritos e diz que o elemento foi criado por actividade vulcânica no Planeta Vermelho.



O carbono reduzido é o carbono que está ligado quimicamente ao hidrogênio ou entre si.



'QUÍMICA ORGÂNICA'


 


Eles argumentam que isso é uma evidência "de que Marte realizou química orgânica durante a maior parte de sua história."



Líder do estudo, o Dr. Andrew Steele disse à BBC: "Nos últimos 40 anos, procuramos uma piscina do chamado 'carbono reduzido' em Marte, tentando descobrir onde e se está lá, perguntando se, de fato, existia".



"Sem o carbono, os elementos de construção da vida não podem existir (...) Então, é o carbono reduzido que, com hidrogênio, oxigênio e nitrogénio, compõe as moléculas orgânicas da vida." Ele diz que a nova análise respondeu à primeira pergunta.



"Esta pesquisa mostra que, sim, o carbono reduzido existe em Marte. E agora estamos nos movendo para o próximo conjunto de perguntas. "O que aconteceu com ele (o carbono reduzido), qual foi seu destino, será que deu o próximo passo de criar vida em Marte?"




 Em deserto na Califórnia, integrante da equipe 'Curiosidade' faz testes



O cientista espera que a próxima missão a pousar no Planeta Vermelho - a Mars Science Laboratory, também conhecida como missão "curiosidade" - lance mais luz sobre a grande pergunta.



"A questão se estamos sós tem sido um grande condutor da ciência, mas ela se relaciona com a nossa própria origem. Se não há vida em Marte, qual a razão? Isso nos permite traçar uma hipótese mais clara sobre por que há vida aqui."



Então, será que Steele acha que houve, ou há, vida em Marte? Ele ri: "Tragam-me algumas pedras de lá e eu vou te responder."




Fonte: BBC
tags:
publicado por sá morais às 20:01

Crítíca a Goor – A Crónica de Feaglar (versão 2006) por Andreia Torres

26.05.12

A primeira coisa que impressiona nestes dois livros é um claro sentimento de desengano, caso o comecemos a ler com a ideia de irmos mergulhar num mundo de magos, elfos, fadinhas e redundâncias do género. Esqueçam o estafado Sword and Sorcery. Aqui a história é outra, pois não se trata de um copycat de obras de referência (defeito de tantos outros autores). A Sorcery é (felizmente) substituída pela vontade dos Homens e a Sword surge em boas quantidades, em duelos individuais ou grandes batalhas, sempre sensacionistas e visuais, mas credíveis – provando que o aspecto bélico foi bem estudado. Essas habituais soluções sobrenaturais (que por vezes nada mais são do que facilitismos) não encontram aqui lugar. O inverosímil surge alicerçado em ténues sugestões que me recordaram algumas obras de Ficção Científica de autores como David Brin ou mesmo escritos de J.S. Hunsaker. Uma sublime influência de von Däniken e de Robert K. G. Temple? Talvez. Uma coisa é certa: não se trata de Fantasia.
Goor brota de uma intensa originalidade e grandeza (universo extremamente complexo e bem descrito), apesar de manter uma estrutura de Demanda Arturiana por um objecto – neste caso o Draidex. Não havia necessidade de tal, mas talvez essa existência brote um inconsciente desejo de ter uma trave-mestra em torno da qual o emaranho é construído. Mas essa Demanda eclipsa-se e torna-se secundária à medida que o intrincado enredo se desenvolve e fica subordinada ao aspecto humano das personagens. Temos aqui o grande trunfo da obra: personagens verosímeis com as quais nos podemos identificar, personagens com quem podemos reflectir, sonhar, chorar ou rir. Desenganem-se portanto os adeptos dos heróis virtuosos em cavalos brancos (cujo lugar é no nicho do infanto-juvenil), aqui irão encontrar pessoas (reais) com defeitos e virtudes, como qualquer um de nós. As suas dúvidas existenciais não são esquecidas e revelam-se, basicamente, aquelas que sempre nos inquietaram. Esse realismo existencial é tão marcante que o leitor chega mesmo (sem qualquer dificuldade) a estabelecer paralelismos com determinados episódios da sua própria vida. O romance (propriamente dito) surge bem doseado, apesar de, por vezes, chegarmos a abominá-lo por “empastelar” em demasia a acção. De realçar ainda o facto de duas das três personagens mais interessantes e complexas serem femininas. Neste livro as mulheres não são vistas como meras figurantes acéfalas e frágeis (os habituais “acessórios de beleza e erotismo” que necessitam do “protector braço masculino”) e movem-se entre os papéis de antagonistas, coadjuvantes ou mesmo de protagonistas, tal é a sua importância. Destas destaco Calédra, o condimento essencial, sem a qual a história poderia tornar-se fastidiosa. Esta Red Sonja (mais refinada, mas igualmente poderosa – talvez até mais) de Pedro Ventura, inverte em vários aspectos os estereótipos sexistas e teria certamente lugar de destaque num painel de Susan Wood.
A prosa de Pedro Ventura é directa e apoia-se mais na sensação, no entretenimento, apesar de não descurar, aqui e ali, alguma “doutrinação”. A linguagem é fluida e, quando não o é, torna-se um pouco artificial, pesada, talvez por suposta “exigência”do Género Épico, da qual discordo. Algumas gralhas (que não são suficientes para perturbar a leitura) revelam um mau trabalho editorial de revisão. Também há alguns “vícios de escrita” que me parecem contaminação do anglo-saxónico e que deviam ter sido corrigidos. Certas personagens secundárias mereciam mais atenção para não aparentarem tanta uniformidade e não serem tão monocórdicas.
Em resumo: dentro do seu género, esta é uma obra indispensável, sem paralelo, quando comparada com os outros autores portugueses (até porque é difícil encontrar termo de comparação entre escritores maioritariamente “copistas” de modelos importados), e que me faz pensar que perdi tempo ao tempo ao ler Marion Zimmer Bradley, claramente inferior. Torna-se óbvio que Pedro Ventura devia ter traduzido os dois Goor e optado por publicar no estrangeiro, antes mesmo de ter sequer pensado em fazê-lo em Portugal, mercado demasiado pequeno e muito dado a “monoideísmos”.

Pedro Ventura na Feira do Livro do Porto 2012

21.05.12

Pedro Ventura estará presente na Feira do Livro do Porto 2012 no dia 7 de Junho, das 17h30 às 19h30, em conjunto com o Rodrigo McSilva.

 

 


Estátua raríssima de 2.000 anos mostra uma mulher gladiadora

20.05.12
A estátua veste apenas uma tanga e segura uma espada curta com uma das mãos e a outra, possivelmente, estaria saudando a multidão.


Os arqueólogos acreditam que a estátua representa um fato extremamente raro em Roma: mulheres gladiadoras. Ela está claramente testificada em sua pose de vitória, com detalhes precisos, sugerindo que a mulher lutou em arenas romanas, assim como os homens.

 
Em sua mão está uma “sica”, um tipo de espada curva para práticas cruéis usadas em partidas de arenas por gladiadores, muitas vezes capturadas de guerreiros de outros países. 

 
Poucas estátuas gladiadoras do sexo feminino foram encontradas após o Imperador Septimus proibir mulheres de lutarem em 200 d.C. Antes disso, mulheres eram capturadas como escravas e treinadas para lutar, assim como também ocorria com os homens. 

 
Há apenas outra evidência visual de que mulheres teriam lutado ferozmente; um achado na cidade antiga de Halicarnasso, agora exposta em um museu em Londres. 

 
A estátua de 2.000 anos é feita de bronze e está em exposição Hamburgo, mantendo o ar controlado. O pesquisador Alfonso Manas, da Universidade de Granada, afirmou que a pose é uma saudação ao povo, uma espécie de agradecimento pela vitória conquistada.
 
 
 
 
publicado por sá morais às 14:38

...

20.05.12
Lishpisibe, Bisinume e Sasime são alguns dos exóticos nomes de mulheres encontrados na tábua de argila 

 

Lishpisibe, Bisinume e Sasime são alguns dos exóticos nomes de mulheres encontrados em uma tábua de argila gravada durante o Império Assírio, há 2.800 anos, e que permitiram conhecer uma língua desconhecida até o momento.
"Sabemos que são nomes de mulheres porque cada um é antecedido pelo símbolo assírio cuneiforme que indica um nome feminino", explicou à "Agencia Efe" John MacGinnis, membro da equipe de arqueólogos responsáveis pelo achado e que publicou o resultado de suas pesquisas no último número do "Journal of Near Eastern Studies".
MacGinnis, professor da Universidade de Cambridge (Inglaterra), relatou em conversa telefónica que a tábua, escavada na jazida de Ziyaret Tepe, no sudeste da Turquia, foi descoberta em 2009 e apresenta uma inscrição no assírio habitual no império.
Mas seu conteúdo é uma surpresa: a lista abrange 60 nomes relacionados com o registo do palácio de Tushan, residência de um governador do Império Assírio no século VIII a.C., e 45 deles têm uma origem diferente de qualquer língua registada pelos arqueólogos.
Pela morfologia dos nomes é óbvio, acrescentou, que não correspondem ao assírio nem ao aramaico nem a nenhuma outra linguagem falada no Império Assírio do qual se tenha notícia.

 
MacGinnis indicou que a lista se refere a um grupo de mulheres oriundas de uma região afastada e transferidas ao império, possivelmente à força, como era frequente naquela época.
"Poderiam proceder dos Montes Zagros no Irã", arriscou o professor, já que em outros documentos assírios há uma menção a um idioma chamado "mejranio", que teria sido falado naquela região, então sob domínio assírio, mas do qual não se sabe nada mais.
"Alguns dos nomes lidos são Lishpisibe, Bisinume, Sasime, Anamkuri, Alaqitapi, Rigahe", explicou MacGinnis, que reconhece não ter pistas sobre o tronco linguístico ao qual poderiam pertencer.
"Consultei um especialista e temos certeza de que não é uma língua iraniana (galho à qual pertence o curdo, falado actualmente na região)", esclareceu.
Seria possível, especulou, que esteja relacionada com alguma das diversas línguas faladas actualmente no Cáucaso e que fazem parte de três troncos linguísticos completamente isolados de qualquer outro idioma.
"Agora começa o trabalho dos linguistas modernos que conhecem os idiomas caucásicos e que talvez possam achar alguma relação", disse o especialista.
Algumas tábuas em assírio são procedentes da antiga cidade escavada na jazida, mas a descoberta em 2009 é a única achada até agora no palácio, embora MacGinnis acredite que o edifício possa abrigar outras peças.
O que não é possível saber ainda é se poderá encontrá-las: parte da jazida ficará submersa quando estiver completa a represa de Ilisu, no rio Tigre, um projeto hidráulico que está há anos em construção e que inundará uma vasta parte do vale fluvial.
"Estamos trabalhando contra o tempo porque nos restam apenas duas temporadas: o Governo turco nos confirmou que podemos continuar trabalhando este ano e no ano que vem, mas depois já não renovarão a permissão", lamentou o professor.
A construção da represa, que inundará também o famoso povoado histórico de Hasankeyf e outras jazidas, foi atrasada em parte devido aos protestos internacionais, mas MacGinnis acredita que o Governo turco está decidido a completá-la em breve, por isso que quer pôr fim aos trabalhos arqueológicos na região.
A tábua está conservada no museu de Diyarbakir, capital da província turca à qual pertence Ziyaret Tepe
publicado por sá morais às 13:32

The Greatest Science Fiction Novels of the 20th Century

19.05.12

The Greatest Science Fiction Novels of the 20th Century

I have already worked out a way to define the Classics of Science Fictionby collecting lists from science fiction fans and critics, but this morning I got to wondering which science fiction books, if any, are recognized as classics by people who normally do not read science fiction.  Over the years I’ve encountered a lot of lists recommending the best novels to read, and occasionally a science fiction novel gets thrown in.

One of the most famous lists, and maybe the most authoritative in recent years, is the Modern Library List of 100 Best Novels.  On their list they hadBrave New World (#3), 1984 (#13), Slaughterhouse-Five (#18), and A Clockwork Orange (#65).  These are very famous books, but I don’t consider them true science fiction, at least not in the genre sense.  They may use SF settings and techniques, but Huxley, Orwell, Vonnegut and Burgess were not SF writers.  By the way, ignore the list on the right column that does contain many genre SF novels.  That comes from imprecise fan voting and not from scholars and experts.

Recently, the Library of America published it’s first volume to contain genre science fiction, Four Novels of the 1960s by Philip K. Dick.  LOA is even more selective than Modern Library, so should we consider The Man in the High CastleThe Three Stigmata of Palmer EldridgeDo Androids Dream of Electric Sheep? and Ubik the stand out SF genre novels of the 20th century?  I think we need some corroboration first.

Another list to counter the Modern Library list is the Radcliffe Publishing Course’s 100 Best Novels of the 20th Century1984 (#9), Brave New World (#16), Slaughterhouse-Five (#29), A Clockwork Orange (#49),Cat’s Cradle (#66), The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy (#72), and The War of the Worlds (#85) show up. Notice the overlap of the first four titles, but also notice the addition of four titles in the back half of the list.  Still none of these novels are what we’d consider genre classics?  No Dune orEnder’s Game.  And the H. G. Wells books was from the 19th century.

The 150 Best English Language Novels of the 20th Century compiled from several lists at the Friendswood Library finally seems to get us somewhere.  On this list we do find some familiar genre titles – Fahrenheit 451 (#28), Stranger in a Strange Land (#31), 2001 (#66), and Dune(#86).  It’s nice to see a few of our favorites listed among all the standard literary work that get mentioned so often and taught in schools.  But we’re still not seeing any overlap.  There just doesn’t seem to be any consensus, unless it’s the same four mentioned for the Modern Library list.

Time offered The Best English Language Novels from 1923 to the Present.  Their editors throw in SnowcrashNeuromancer, and Ubik.  This is the first validation of the Library of America choosing PKD.  It also overlaps with 1984A Clockwork Orange and Slaughterhouse-Five, and leaves off Brave New World.  Overall this list adds many newer literary favorites and dumps some of the standard heavyweights like Ulysses.  Still there is no consistent sign of a genre favorite in the minds of the world at large.

If we really broaden the search and include books like 1,001 Books to Read Before You Die we can catch a number of genre classics: Cryptonomicon, Neuromancer, The Hitchhiker’s Guide to the Galaxy, Do Androids Dream of Electric Sheep?, Chocky, The Drowned World, Stranger in a Strange Land, Solaris, Foundation, and I, Robot.  Still, it’s as if the mundane world is willing to throw us a bone and include a few token SF titles.  We’re still not seeing a stand out genre novel.  Science fiction appears to be something fleeting in the peripheral vision of the literary world.

If you look at Top 100 Sci-Fi Books and my Classics of Science Fiction by Rank, you’ll see a lot of common overlap.  Both of these lists were compiled by taking many lists and cross-tabbing them.  I would guess by looking at all the lists that maybe Dune and Stranger in a Strange Landare the two titles that the general reader may know about, but I have met plenty a bookworms in my life that I have had to educate about these titles.  I would say Ender’s Game is the the most popular title that my non-science fiction reading friends have discovered.

Most people think of Star Wars and Star Trek when you ask them to define science fiction.  The world of science fiction literature is really a sub-culture that few people  know about.  However, if I had  to introduce the world at large to SF, I would recommend these titles as the most popular SF books to try:

  • Dune
  • Stranger in a Strange Land
  • Do Androids Dream of Electric Sheep? (Bladerunner)
  • Ender’s Game
  • Neuromancer

However, from reading and studying books that talk about the best books to read, I can easily imagine that these titles will be forgotten in about another fifty years.  I think in the end, say in 2108, if you ask a bookworm about science fiction of the 20th century, they will list off:  1984Brave New World and Slaughterhouse-Five.  I tend to think A Clockwork Orangewill lose favor because its too hard to read.  In the end science fiction will be represented by books that were never from the sub-culture of science fiction writers.
On the other hand Dune, Ender’s Game and Stranger in a Stranger Landmay hang in there.  Books go in and out of favor by the public.  Stephen King may turn out to be the Charles Dickens of the 20th Century. Stranger in a Strange Land might be its Gulliver’s Travels and Ender’s Game its Alice in Wonderland.

 

TGSF -  james w harris

(ANDREIA TORRES)

publicado por sá morais às 23:43

Green Bank Telescope (GBT)

19.05.12
Prato do GBT possui diâmetro do tamanho de um campo de futebol (Fonte da imagem: NRAO)
Localizado nos Estados Unidos, o equipamento analisa ondas de rádio em busca de pulsares, matéria escura, moléculas perdidas no espaço e até vida extraterrestre.
Green Bank Telescope (GBT) foi construído no ano de 2000 e fica localizado no National Radio Astronomy Observatory (NRAO), na Virgínia Ocidental, Estados Unidos.


Com proporções que chegam a causar espanto, o GBT é considerado o radiotelescópio mais avançado do mundo e a maior estrutura móvel do planeta.


De acordo com o Gizmodo, o prato do GBT possui medida de 100 por 110 metros, o que é praticamente o comprimento de um campo de futebol, que costuma ter de 90 a 120 metros.


Além disso, ele é composto por 2.004 painéis de alumínio e pesa mais de 8,5 milhões de toneladas, além de possuir 147 metros de altura. Mesmo com esse tamanho todo, ele pode se locomover por trilhos que formam um círculo de 64 metros de diâmetro.


O “monstro” já foi responsável por algumas descobertas intrigantes, como três pulsares que habitam o aglomerado de estrelas M62, o campo magnético em forma de espiral na nuvem molecular de Órion e uma super-bolha de hidrogénio na constelação de Ofiúco.


Em operação durante cerca de 6,5 mil horas por ano, o GBT procura por pulsares, átomos e moléculas no espaço profundo. Além disso, cientistas também têm usado esse telescópio como ferramenta no projecto SETI, para encontrar civilizações extraterrestres.


National Science Foundation também já usou o “grandão” para analisar grandes porções do universo e descobrir como elas se modificaram com o passar do tempo, procurando também por pistas da existência de matéria escura.

Fonte: Tecmundo
publicado por sá morais às 15:48

FICÇÃO CIENTÍFICA DOS ANOS 50/60 NO YOUTUBE!!

13.05.12

 

 

 

 

Alguns dos melhores filmes dessa época podem ser vistos de graça na internet, no site Youtube. São produções que caíram no domínio público e, portanto, podem ser disponibilizadas para download sem qualquer culpa ou acusação de pirataria. São filmes que dão um banho de criatividade a muitas produções de hoje em dia. Excelentes notícias!!! 

 

 

 

publicado por sá morais às 22:31

Wanuri Kahiu

13.05.12

 

If you have read my blog before then you must know that I love to highlight visionary African women. Visionary Kenyan women are even more exciting to feature. Wanuri Kahiu definitely falls into this category.

As an accomplished film maker and the director of PumziKenya’s first science-fiction film, she is setting the cinema scene abuzz with one of three African films showing at this year’s Sundance Film Festival (film and art enthusiasts also check out African Digital Art and Sci-Cultura for Pumzi and more). The 23 minute film:

…imagines a dystopian future 35 years after water wars have torn the world apart. East African survivors of the ecological devastation remain locked away in contained communities, but a young woman in possession of a germinating seed struggles against the governing council to bring the plant to Earth’s ruined surface.

As the Executive Director of Dada Productions, she has also been involved in writing and directing other productions. Her film From a Whisper, based on the 1998 Kenyan and Tanzanian bombings, won her 5 African Movie Academy Awards in 2009. In Ras Star, the story of a young Kenyan girl aspiring to be a musician, she was able to explore issues around women’s freedom and participation in African society.

Of her own work, she says:

I write and direct films that challenge and inspire the human spirit to re-unite and remember. I believe that the union of people and the integration of cultures through stories are beneficial to all.

Wanuri lives to tell to tell modern African stories with a fresh sense of style and meaning,” and we hope that she continues to have amazing opportunities to express and document Kenyan imagination, innovation, narratives and artistry for both local and international audiences. Her work is also featured at the (very cool) International Museum of Women.

publicado por sá morais às 22:21

“PUMZI”: FILME DE FICÇÃO CIENTÍFICA DO... QUÉNIA

13.05.12

É apenas um curta metragem de 20 minutos, mas a diretora de Pumzi espera transformá-lo em longa metragem, como aconteceu com outro filme de ficção científica africano, District 9.

 

A cineasta Wanuri Kahiu mostra uma sociedade distópica 30 após uma guerra pela água ter devastado o mundo. Sobreviventes do leste africano vivem trancafiados em comunidades subterrâneas. Uma jovem trabalhadora obtém uma semente que está a germinar e deseja levá-la até a superfície, sendo perseguida pelo governo que a proibiu de sair da comunidade.

 


tags: ,
publicado por sá morais às 22:12

Voynich Manuscript

10.05.12


publicado por sá morais às 21:38

International Speculative Fiction

05.05.12

International Speculative Fiction 

About

 

Welcome to International Speculative Fiction!

Roberto Mendes

Editor in Chief

How great would be to be able to read non-anglophone Speculative Fiction on a regular basis? And how awesome would it be to do it for free?

You can find out here, in the official site of International Speculative Fiction!

But what exactly is International Speculative Fiction?

 International Speculative Fiction (“ISF”) is an e-zine with free online distribution every 3 months featuring Speculative Fiction exclusively of International authors (non-anglophone authors).

ISF will publish 3 to 4 short stories per number, as well as one article and one interview!

Also, ISF will publish in its site a short story and an article every two weeks!

We are also aiming to publish a series of articles about the Speculative Fiction scene in various country’s. Our first article is called “Science Fiction in Portugal – The Drawing up of a Territory” by Teresa Sousa de Almeida”.

The above mentioned article presents the Portuguese Science Fiction production in the last two decades of the 20th century!

Check out the submissions guidelines and start submitting!

The Editor In Chief,

Roberto Mendes

 

 

publicado por sá morais às 22:48

pesquisar

 

comentários recentes

mais comentados

arquivos

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro

eXTReMe Tracker

Maio 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
16
17
18
22
23
24
25
27
28
29
30
31