Behold the Man – Se forem apenas cristãos fundamentalistas podem considerar este livro mais uma blasfémia, enformada num desnorteado “time travel” que pretende ser ( apenas ) mais uma sátira. Se não forem tão limitados intelectualmente e houver algo de metafísico nos vossos espíritos, certamente o irão considerar uma obra-prima. Brilhante e provocador, Moorcock parte de um pressuposto inteligente, cria uma história repleta de questões pertinentes e desafios espirituais, em que o Homem ( a sua condição ) é o elemento central. Esqueçam o nonsense e o absurdo da moda – isto é the “real deal”! Gostar do género e não conhecer é… ridículo!

publicado por Andreia Torres às 01:21