"Em Guerra interior, do Padre Matias de Andrade, Oratoriano de Freixo-de-Espada-à-Cinta, retoma-se um dos temas mais antigos da espiritualidade humana. Na altura em que a edição está quase pronta, resolvi ir apresentando o texto e o seu autor.

Hoje fica a capa da edição, da responsabilidade da Rute Augusto, mais um trabalho bem conseguido pela elegância e equilíbrio de cores e formas, e uma citação das palavras do Companheiro, possível representação do Anjo da Guarda, alertando o Soldado para a «guerra interior» onde cada um deve ser o mais perfeito possível.

«Então continuou o Companheiro dizendo deste modo: bem sei que estareis persuadido a que a minha prática há-de ser dirigida a procurar, com palavras amorosas e suaves, dar um lenitivo à vossa pena, e não é assim, senão muito pelo contrário. Porque antes o meu intento é dar-vos ũa modesta repreensão, a qual, posto que ao princípio vos parecerá desabrida, estou muito certo que vos há-de ser útil e proveitosa, bem assim como a medicina, que quanto mais amarga tanto mais costuma aproveitar a quem a toma. Vejo que tendes sido bom soldado e que estais muito prático no exercício da guerra, nem podia esperar-se menos da vossa nobreza, do vosso valor e da vossa honra. Mas ó lástima! Que tendo consumido tanto tempo em vos exercitardes na guerra exterior, estejais tão pouco adiantado e tão bisonho na interior, que é o exercício que mais vos importa e o de que tendes menos notícia e menos prática.» (Guerra interior, cap. II)"

capa GI

publicado por sá morais às 01:12